Sentimentos Vastos: liminaridade e foco narrativo na literatura brasileira contemporanea

Resumen

As obras Rútilo nada, de Hilda Hilst, Teatro, de Bernardo Carvalho e Acenos e afagos, de João Gilberto Noll apresentam narradores protagonistas em situações-limite, em confronto com a morte de diferentes maneiras. As três narrativas têm em comum a suspensão de categorias, inserindo os protagonistas num espaço liminar, onde se produz discurso repleto de indeterminações. Neste artigo, procurase verificar alguns desdobramentos da presença de liminaridade e situações-limite nas narrativas, principalmente a respeito da construção do foco narrativo, afastado do discurso hegemônico, patriarcal e heteronormativo que constitui grande parte do cânone da literatura brasileira

Autores/as

  • Gabriela Ruggiero Nor Universidad de Sao Paulo

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Palabras clave

Biografía del autor/a


, Universidad de Sao Paulo
Maestría en literatura Brasileña en la Universidad de Sao Paulo.

Citas

Obras literárias:

Carvalho, B. (2006). Teatro. São Paulo: Companhia das Letras.

Hilst, H. (2003). “Rútilo nada”. Rútilos. São Paulo: Globo.

Noll, J.G. (2008). Acenos e afagos. Rio de Janeiro: Record.

Obras teóricas e críticas:

Adorno. T.W. (2003). Posição do narrador no romance contemporâneo. Em Notas de literatura I. São Paulo: Ed.34.

Adorno, T.W. (1970). Teoria Estética. Lisboa: Edições 70.

Benjamin, W. (2009). Passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Birman, J. (1997). Estilo e modernidade em psicanálise. São Paulo, Ed.34.

Douglas, M. (1991). Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva.

Dumoulié, C. M. (2007). Tudo o que é excessivo é insignificante. Tempo Brasileiro, no. 169. Rio de Janeiro.

Gagnebin, J-M. (2014). Limiar, aura e rememoração. São Paulo. Ed.34.

Ginzburg, J. (2012). O narrador na literatura brasileira contemporânea. Tintas, Quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, no. 2.

Kristeva, J. (1980). Pouvoirs de l’horreur. Paris: Seuil.

Leite, L.C. (1985). O foco narrativo ou a polêmica em torno da ilusão. São Paulo: Ática.

Pinheiro, P.S. (2007). Estado e Terror. In.: Novaes, A. (org.). Ética. São Paulo, Companhia das Letras.

Rosenfeld, A. (1991). Reflexões sobre o romance moderno. En Texto/contexto. São Paulo: Perspectiva.

Seligmann-Silva, M. (2005). O local da diferença. São Paulo, Ed.34.

Publicado
2017-01-10
| 12 |
Sección
Artículos