Limites do suerrealismo na poesia de Murilo Mendes

  • Luisa Destri Universidad de Sao Paulo

Resumen

Este texto discute a influência do surrealismo na poesia amorosa de Murilo Mendes (1901-1975), um dos quatro grandes poetas modernistas brasileiros, a partir do modelo de leitura proposto por Roland Barthes em Le plaisir du texte. São considerados principalmente poemas do livro As metamorfoses (1944), com o objetivo de flagrar o movimento entre uma margem sensata e outra subversiva, conforme propõe o ensaísta francês. Observa-se assim como o espelhamento na vanguarda resulta em ambiguidades, pois obedece ao desejo de crítica à realidade, mas serve também à afirmação do sujeito, afastando o risco (politicamente desejado) de sua perda ou dissolução
Publicado
2017-01-10
Como citar
DESTRI, Luisa. Limites do suerrealismo na poesia de Murilo Mendes. Poligramas, [S.l.], n. 42, p. 95-109, ene. 2017. ISSN 2590-9207. Disponible en: <http://poligramas.univalle.edu.co/index.php/poligramas/article/view/4422>. Fecha de acceso: 24 sep. 2017 doi: https://doi.org/10.25100/poligramas.v0i42.4422.

Palabras clave

Literatura brasileira; modernismo; leitura de poesia; surrealismo